Mensagens do Padre Cristovam para os Ministros Extraordinários

 

Os dez mandamentos do ministro – 6

SEREI SOLIDÁRIO COM OS ENFERMOS

Quando as pessoas estão impedidas de ir até o local da celebração para rezar em comunidade, cabe à comunidade ir até onde elas estão e rezar com elas. O Ministro, ao levar a Comunhão aos enfermos, aos anciãos e a seus cuidadores, “leva” com ele a comunidade, em nome de quem ele se coloca a serviço. Cabe a mim a tarefa de ser “ponte”, unindo quem sofre à sua família na fé. Não apenas eu sou solidário para com eles, mas toda a comunidade o é. O serviço que presto a eles exige de mim fé e amor: fé porque o faço em nome de Jesus, e amor porque me dedico a eles inteiramente. A ternura, a paciência, a escuta e o diálogo são algumas atitudes que não podem me faltar. Sou um Ministro que me dedico ao ministério que me foi confiado.

—————————————————

Os dez mandamentos do ministro – 5

FAREI DA EUCARISTIA O MEU SERVIÇO

Assim como Jesus se põe ao nosso serviço na Eucaristia, assim eu me coloco a serviço da Eucaristia servindo-a aos meus irmãos e irmãs na fé. Não sou eu que a faço; essa tarefa é própria dos sacerdotes. Eu os auxilio a levar Jesus sacramentado às pessoas que o acolhem como o Senhor de suas vidas. Presto esse serviço com dedicação, respeitando as normas em vigor e em comunhão com os ministros ordenados da minha comunidade. Adoro Jesus na Eucaristia e promovo o seu culto, ajudando os batizados a recebê-lo com fé e proveito. Distribuo a Comunhão com piedade, zelando pelo serviço de meu ministério continuamente. Sou um Ministro consciente de quem estou a serviço: do próprio Jesus.

—————————————————

Os dez mandamentos do ministro – 4

PARTICIPAREI DAS CELEBRAÇÕES COM ALEGRIA

Sou escalado para servir em algumas celebrações, não em todas. Isso não significa que deixarei de participar quando não for o meu dia de atuar como Ministro. Participo das celebrações para honrar a Deus e rezar em comunidade com meus irmãos e irmãs na fé, independente dos serviços que prestarei, já que delas tomo parte não apenas por que sou Ministro, mas por que sou batizado. Sempre participarei com alegria, da celebração toda, seja ela a Missa, seja a Celebração Dominical da Palavra. Terei na Sagrada Escritura, na Tradição viva, na Eucaristia e na Doutrina da Igreja os alimentos que me darão força para servir. Sou um Ministro consciente do valor de rezar em comunidade.

—————————————————

Os dez mandamentos do ministro – 3

ATUAREI EM COMUNHÃO COM A COMUNIDADE

Não sou o único a estar a serviço da minha comunidade. Como eu, muitos outros se colocam à disposição de seus irmãos e irmãs na fé: os ministros ordenados, os religiosos consagrados, os catequistas, os coordenadores, os administradores e muitos outros. Atuo em unidade com eles, não me isolando da comunidade ou me fechando em meu ministério. Ajo em comunhão, sabendo que temos todos o mesmo Senhor e pertencemos à mesma Igreja. Por isso participo das atividades da ação evangelizadora de minha paróquia e diocese, com o objetivo de ser evangelizado e evangelizar a partir de diretrizes comuns. Sou um Ministro consciente de que sou um servidor entre outros servidores.

—————————————————

Os dez mandamentos do ministro – 2

EXERCEREI O MINISTÉRIO COM DEDICAÇÃO

O termo ministério significa serviço, e ministro significa aquele que serve. Tornei-me Ministro ao ser enviado pela Igreja como servidor do povo de Deus em auxílio aos ministros ordenados naquelas funções que não requerem o sacramento da Ordem. O meu ministério não é sinal de honra ou prestígio, mas sim de que estou pronto e disposto a servir. Esse serviço exige renúncia, dedicação e disponibilidade. Ao me colocar à disposição da minha comunidade, o faço livre e gratuitamente, consciente de que, como Jesus, devo estar permanentemente a serviço. Sou um Ministro consciente de que tenho que vencer, diariamente, a acomodação.

—————————————————

Os dez mandamentos do ministro – 1

ASSUMIREI MEU COMPROMISSO DE CRISTÃO

Antes de ser Ministro, sou cristão. Ao ser batizado, tornei-me membro da família de Jesus, a Igreja, por meio da qual recebi do Senhor a vocação à santidade e a missão de evangelizar. Daí que sou chamado a ser coerente com a fé que professo, não apenas por que sou Ministro, mas por que pertenço a Jesus Cristo e Dele sou discípulo missionário. Pelo anúncio e pelo testemunho levo às pessoas as riquezas da Pessoa e do Evangelho do Senhor. Quem olha para mim descobre alguém que faz todo o possível para fazer sempre o bem, a todas as pessoas e em todas as situações. Sou um Ministro consciente de que o batismo me fez sal da terra e luz do mundo.