12 dicas para aperfeiçoar os nossos relacionamentos

Casal mãos dadas 12 Dicas para aperfeiçoar

É triste constatar que, por falta de uma atitude positiva ou compreensiva, um relacionamento se deteriore ou até se destrua. E quando falo em relacionamento, refiro-me a todos eles: amizade, namoro, casamento, parceria, sociedade, convivência formal e informal. A partir da minha vida, isto é, da minha experiência e vivência de relacionamentos, e das tantas partilhas que ouço como homem e como padre, coloco em comum com você alguns insights que, julgo, podem ser úteis a quem os quiser utilizar. Alguns são óbvios, mas nem sempre se dá a eles a importância que merecem; outros são desconhecidos ou pouco valorizados pela maioria das pessoas. Espero que você aproveite!

1. Aceite a realidade: ninguém é perfeito! 

Óbvio demais? Também acho. Mas acredite: um número exorbitante de pessoas continua exigindo, explícita ou implicitamente, que as pessoas com que convive sejam o que elas não têm condições de ser. Se pedimos ou exigimos que o outro seja perfeito, o que acontecerá? Ele terá sobre os ombros um peso impossível de carregar, e sofrerá muito por isso, e nós no frustraremos porque o outro nunca será o que nós queremos que ele seja. Nossos relacionamentos são com pessoas, de carne e osso, e não com anjos (o relacionamento com estes é só espiritual). Acolher o outro com e apesar de suas imperfeições é a base fundamental de todo e qualquer relacionamento. Faltando esta base, o edifício todo desmorona.

2. Acolha o diferente e a diferença!

Quem disse que todas as pessoas devem ser iguais a mim ou a você? Se fosse assim, não seríamos humanos, e sim seres batizados. E mais: a vida seria pura chatice. O diferente e as diferenças não existem para serem eliminados, mas integrados. Quanto mais diversidade, mais vida, desde que saibamos conviver respeitando a cada um como ele é, e não como eu quero que ele seja.

3. Lembre que acolher não quer dizer concordar!

Eu não me vendo, nem negocio as minhas convicções, quando acolho o diferente e a diferença. É importante que eu deixo claro quem sou e o que penso, isso sem exigir ou discriminar o outro porque somos diferentes. A pessoa madura não é “uma Maria vai com as outras”; ela tem convicções, as defende com seriedade e serenidade, sem contudo agredir ou invadir a vida do outro. Partilha sim, ditadura jamais.

4. Corrija por amor, só por amor!

Só se corrige alguém quando se deseja que esse alguém viva melhor, se realize como pessoa. Se não amo, é melhor me calar. Quem corrige para humilhar, ou para mostrar que é superior, ou ainda por vingança, está piorando, e muito, a situação. As “correções” feitas nos momentos de raiva quase sempre alimentam a inimizade em lugar de fortalecer a amizade. Antes de corrigir alguém, se pergunte: “Vou dizer o que tenho para dizer porque quero o melhor para essa pessoa, ou vou apenas machucá-la?” Se não for para melhor, não corrija.

5. Evite a maledicência!

Maledicente é aquela pessoa que tem prazer em contar ao maior número de pessoas que encontra o que esta ou aquela pessoa fez de errado. Ela não inventa, mas espalha. Onde ela está tem fofoca, desentendimento, inimizades. Qual a vantagem de colocar no ventilador o mal praticado pelos outros? Se for uma denúncia, aí sim, deve-se fazê-la com fundamento e seriedade. Mas se é só pelo prazer de falar mal dos outros, por que não aproveitar a ocasião para ficar de boca fechada?

6. Escute com todo o seu ser!

Quem encontra uma pessoa que sabe escutar, encontrou um tesouro raro! A maioria das pessoas, enquanto nos escuta, faz ou pensa em outra coisa. Aí pegará informações parciais e não nos entenderá de fato. Escutar é deixar de lado tudo o que está fazendo, inclusive os próprios pensamentos, para dedicar-se ao outro, de corpo e alma. É esvaziar-se para deixar-se preencher por quem quer colocar sua vida em nossas mãos e coração. É pena, mas existem pouquíssimas pessoas que sabem ouvir! Duvida? Pois então veja como você escuta os outros e como eles te escutam. Não quero ser pessimista, mas você vai se decepcionar…

7. Respeite opiniões, nunca as discuta!

Todos têm direito a terem as opiniões que têm, o que não quer dizer que estejam sempre certos. Para que haja de fato convivência, eu não digo “você está errado” e sim “eu penso assim, diferente de você”. Política, religião, futebol e tudo o mais da vida não trazem mais vida quando são discutidas, e sim sempre que são partilhadas pelo diálogo. Um debate é algo muito interessante, desde que se saiba ouvir, falar e respeitar o outro. A maioria das discussões se transformam em brigas, até em inimizades. Quanto mais discussão, mais chance de chegar ao desentendimento e, consequentemente, ao rompimento da relação.

8. Contenha sua curiosidade sobre a vida dos outros!

Respeite os segredos, mais ou menos importantes, que todos têm. A curiosidade sem equilíbrio é uma invasão danosa à convivência. Permita que os outros tenham a própria vida. Para que você precisa ficar sabendo de tudo o que fazem? Se o seu interesse é o bem do outro, porque o ama, então dialogue, mas não entre em sua vida à força. Assim como eu e você temos os nossos segredos, que podemos partilhar com que quisermos, vamos dar aos outros o mesmo direito, sem ficar especulando sobre as coisas que não nos dizem respeito.

9. Distinga pessoa de coisa!

Pessoa é gente, não objeto. Não “coisifique” ninguém. Como é possível que um relacionamento vá em frente se eu uso a pessoa em meu proveito, sem dar nada de mim a ela? Como posso chamar alguém de esposo/a, amigo, parceiro, se só me aproveito ou permito que se aproveitem de mim ? Não há relacionamento que aguente quando um se aproveita dele para ganhar, seja o que for, às custas do outro. Erram ambos: quem usa, porque rouba a dignidade de pessoa do outro, e quem é usado, porque permite e aceita ser tratado como coisa e não como gente.

10. Peneire as críticas!

Aproveite das críticas que receber: as boas, e que podem torná-lo uma pessoa melhor, acolha-as. As que não têm nada a ver com você, jogue-as para um canto em sua mente e deixe-as lá, no inconsciente. É comum que, por orgulho, ao sermos criticados não aproveitemos das críticas que poderiam nos ajudar a crescer e amadurecer. Recebeu uma crítica? Peneire-a! Veja se é ouro ou cascalho. Não receba a todos como se todos fossem só ouro, ou só cascalho. Quase sempre eles vêm misturados. Saiba aproveitar do que pode fazer de você uma pessoa melhor.

11. Aprenda com todos!

Não há pessoa, ou fato, do qual não se possa tirar um ensinamento para a vida. Ninguém de nós sabe tudo, por mais preparado que esteja. Porém, se me acho autossuficiente ou sou arrogante, vou perder mil e uma oportunidades de ser cada vez mais sábio. A prepotência faz com que as pessoas se achem melhores do que as outras, e que assim têm a ensinar e nada a aprender. Que pena! Posso aprender muito com o esposo, com a esposa, com os filhos, com os pais, com os irmãos, com os vizinhos, com os colegas de trabalho ou escola. Ou posso me fechar e deixar toda essa riqueza à margem de minha vida. Quem é humilde, aprende com todos; quem é orgulhoso, não só não aprende, como também para no tempo, tornando-se ultrapassado.

12. Faça aos outros somente aquilo que você gostaria que eles fizessem a você!

Essa é a regra de ouro, citada inclusive por Jesus. E é um indicador muito interessante para avaliar o que estou para fazer. Antes de agir, basta que eu me pergunte e aceite a resposta com sinceridade e coerência: “O que vou fazer para esta pessoa é o que eu gostaria que ela fizesse para mim?” Simples assim! O uso desse questionamento evitaria muito sofrimento para todos. Que tal tê-la como referência para as ações do dia a dia?

 

Casal vovos 12 Dicas para aperfeiçoar

Aqui estão as dicas que coloco em comum com você. Espero que sejam-lhe úteis. Se você tem outras, ou quer comentar algumas delas, escreva-me. Vamos somar as nossas experiências, aprendizados e saberes para crescermos juntos, nos completarmos e encontrarmos a realização pessoal, familiar, comunitária e social. Juntos somos mais!